Back

Café do Perú Cajamarca Jaén

(6 avaliações de clientes)

14,9523,95 (IVA incl)

Cacau, frutado, doce, delicado com notas florais, leves notas de avelã, notas lácticas em boca com boa acidez e bom corpo.

Tens dúvidas? Ajudamos-te a escolher teu café.

Subscreve-te a esse café, nunca fiques sem, e poupa um 10% extra no envio trimestral.

Ou, também, descobre-o junto ao pack degustación de cafés Sudamericanos de 300 gramas.

Calcula a poupança que conseguirás com a máquina de café e cafés Incapto clicando aquí!

Peson.d.
Matiz

Frutos secos & cacau

500gr. 70 cafés 0,21€/café
1kg. 140 cafés 0,17€/café
Limpar

Descrição

PAIS: Perú
REGIÃO: Cajamarca (Jaén)
FINCA: Várias fincas da comarca: Cenfrocafé
ALTITUDE: 1.250 metros
PROCESSO:  Lavagem
TIPO: Especialidade
SCA: 83,75
ORIGEM: Piura
VARIEDADE: Cultivo 100% Selva Tropical. Predominam caturra, catuaí e catimor.
NOTAS: Avelã, cacau e flores

Qual a cápsula que equivale a esse café?

O café de Perú Jaén Cajamarca equivale a:

Venezia

Poupa 0,22 € em cada chávena

Verifica qual é teu café Incapto ou consulta na tabla de equivalências con cápsulas

Os atributos dos nossos cafés

Em Incapto Coffee, geramos diferentes escalas para definir os nossos cafés. Assim, tanto se tú es um consumidor experiente quanto se teus conhecimentos sobre café são básicos, queremos que tenhas a informação suficiente para escolher o café mais adequado à tuas preferências.

Café de Cajamarca Perú

AROMA
Os cafés mais simples tem valores menores e, os cafés mais complexos, onde podemos encontrar aromas de frutos secos, frutas ou flores, tem valores maiores. Se tú gostas do aroma de café comum, sugerimos-te os cafés com pontuações menores. Mas, se tú gostas de experimentar aromas diferentes e com componentes olfativos, sugerimos-te os cafés com maior pontuação.

SABOR
Como com o aroma, se tú gustas de sabores mais comuns e, como se diz na gíria cafetera, “mais planos”, sugerimos-te as pontuações menores. Mas, se, ao contrário, gostas de experimentar sabores novos e descobrir matizes que não conheces, sugerimos-te os cafés com valores maiores de aroma.

 

 

ACIDEZ
Uma forma simples de explicar esse conceito é que a acidez é a personalidade do café. Faz com que, ao experimentá-lo na boca, te surpreenda. Uma acidez alta, mas sempre equilibrada com os outros atributos desse café, confere-lhe doçura e gera salivação assim que foi tomado. A acidez é estreitamente ligada à altura do cultivo do café. Quanto maior a altura, maior teor em acidez. Para os verdadeiros amantes do café, essa acidez, alta mas equilibrada, é a que nos tem apaixonados.

TORREFAÇÃO
Os nossos cafés são torrados para que, na hora de pepará-los com nossa cafeteira “súper automática”, obtenham o corpo e o creme esperados num espresso. Por isso, o grau de torrefação para nossa gama de cafés é 4 sobre 5.

CORPO 
O corpo é a textura do café, a sensação na boca. Vamos explicá-lo de uma forma simples: os cafés com pontuações menores no corpo, são leves, e os cafés com pontuações maiores dão uma sensação de ‘encher mais a boca’. Embora possa ter maior o menor corpo, tens que ter em conta que o corpo do café é influente, dependendo de como for a preparação da bebida, já que os mesmos óleos que extraimos no momento de preparar o café, também vão fornecer maior ou menor corpo. Por exemplo, se mudas o ponto de moagem, já estarás a modificar o corpo da tua chávena de café.

AMARGOR
Geralmente, estamos acostumados à ideia de que o café tem que ser preto e amargo. No entanto, como já temos visto, existem muitas caraterísticas para definir o café. Na nossa escala, os cafés com pontuações maiores no amargor, são recomendados para pessoas que gostam do café comum ou “forte”, sendo “forte”, potente e amargo. Nesse mesmo caso, também acontece que, dependendo da forma de preparar o café, poderás prepará-lo mais o menos amargo. Por exemplo, se modificas o ponto de moído ou a temperatura da preparação. De essa maneira, poderás alterar esse fator.

.

INTENSIDADE
A intensidade é uma caraterística que fornece uma ideia geral sobre o café. No entanto, te aconselhamos que, se procuras cafés intensos, tenhas em conta, também, atributos como a acidez ou o amargor, já que temos cafés intensos e armargos e cafés intensos e com maior acidez. Se gostas dos cafés intensos mas normais, escolhe um café intenso com amargor alto. Pelo contrário, se gostas de cafés intensos e complexos, escolhe-lo com maior intensidade e acidez.

FORÇA
A palavra força… no café, é muito ampla e pode gerar muitos mal entendidos. Começemos: a falar devidamente, a força de um café é a densidade da bebida. A falar técnicamente, é a quantidade de sólidos do café que dissolveram-se na água. Para que o café tenha a força adequada, tem que estar entre 1% e 1,5%, e o resto será água. Mas, em Incapto, temos vontade de nos aproximar ao linguagem mais popular e coloquial, quer dizer, ao que teu vizinho entende como “café forte”. Por isso, a nossa escala de força é ligada apenas à armagura e ao corpo que pode ter esse café. Quer dizer, na nossa escala, os cafés com menor força serão cafés mais suaves, pouco amargos, e os cafés com maior força serão cafés amargos e “poderosos”. Mas tens que considerar que a força depende muito da maneira que tú prepares o café. Por exemplo, se a moagem é grossa, se tem muito tempo que café foi aberto, se a temperatura da água é baixa… tudo isso fará com que teu café seja menos forte. Pelo contrário, se utilizares uma moagem mais fina, mais gramatura do café, se o café ficar mais tempo en contato com a água, se os pontos de torrefação são maiores, entre muitos outros fatores, terás como resultado uma bebida mais forte, com maior concentração de café!

FORÇA
A palavra força… no café, é muito ampla e pode gerar muitos mal entendidos. Começemos: a falar devidamente, a força de um café é a densidade da bebida. A falar técnicamente, é a quantidade de sólidos do café que dissolveram-se na água. Para que o café tenha a força adequada, tem que estar entre 1% e 1,5%, e o resto será água. Mas, em Incapto, temos vontade de nos aproximar ao linguagem mais popular e coloquial, quer dizer, ao que teu vizinho entende como “café forte”. Por isso, a nossa escala de força é ligada apenas à armagura e ao corpo que pode ter esse café. Quer dizer, na nossa escala, os cafés com menor força serão cafés mais suaves, pouco amargos, e os cafés com maior força serão cafés amargos e “poderosos”. Mas tens que considerar que a força depende muito da maneira que tú prepares o café. Por exemplo, se a moagem é grossa, se tem muito tempo que café foi aberto, se a temperatura da água é baixa… tudo isso fará com que teu café seja menos forte. Pelo contrário, se utilizares uma moagem mais fina, mais gramatura do café, se o café ficar mais tempo en contato com a água, se os pontos de torrefação são maiores, entre muitos outros fatores, terás como resultado uma bebida mais forte, com maior concentração de café!

Pontuação SCA
Como não podeira ser de outra maneira, todos os nossos cafés são pontuados por nossa degustadora Q Grader Beatriz Mesas. A pontuação é a suma de 11 atributos: 1º fragrância/aroma, 2º sabor, 3º sabor pós-sabor, 4º acidez, 5º corpo, 6º equilíbrio, 7º uniformidade, 8º limpeza da chávena, 9º doçura da chávena, 10º pontuação pessoal do degustador y 11º cafés com um possível defeito penalizam-se com pontuações menores. Esse sistema de pontuação é internacional. Só os degustadores certificados pelo CQI (Coffee Quality Institute) são autorizados para pontuar os cafés, e o protocolo de degustação utilizado é o da SCA (Specialty Coffee Association). Si queres conhecer mais sobre esse asunto, entra em nosso post sobre SCA

Cereja de café de Cajamarca Perú

Sobre o café

Esse café é produzido no departamento de Cajamarca, localizado ao noroeste de Perú. A planta de processamento está na localidade de Piura. Seu cultivo é feito cem por cento na Selva Tropical.

A economía do Perú foi, históricamente, um reflexo da sua variada e difícil geografía. O café é seu principal produto de exportação agrícola, e representa cerca do 5% do total das exportações do pais. É, também, um dos productos com maior influência socioeconômica.

O café chegou à América com os imigrantes europeus, no início do século XVIII. Eles introduziram seu cultivo na América do Sul e Central. Em meados do século XVIII, o café já era produzido em várias regiões do Perú para o consumo local e a exportação para Alemanha, Chile e Grã Bretanha. O primeiro café de Lima foi aberto no ano 1791.

Hoje, existem cerca de 11.000 cafeicultores, que acupam uma área de produção aproximada de 330.000 hectares. O tamanha médio de cada finca é de dois a três hectares. A maioria desses cafeicultores é de origem indígena e fala o espanhol como segunda língua.

Após de mais de 250 anos de produção, a variedade Typica continua a representar mais do 60% das exportações totais de café do pais. Aos poucos, Perú criou-se uma reputação de nível mundial como productor de arábicas de alta qualidade, cultivo orgânico e à sombra.

Perú é uma excelente origem para o cultivo de cafés orgânicos. Possui uma grande gama de fertilizantes naturais que podem ser aplicados diretamente no solo. Um deles é o “guano de las islas”, que é feito com o excremento das aves guaneras que vivem nas ilhas e pontas do litoral peruano. É um fertilizantes potente, natural e muito completo, que fornece ao solo com todos os micronutrientes essenciais e, além disso, aporta microorganismos beneficiosos que enriquecem a microflora do solo. Os cafeicultores da cooperativa Cenfrocafe, são capacitados permanentemente na utilização eficaz desse tipo de abonos e fertilizantes orgânicos.

Outra vantagem da fertilização orgânica direta ao solo, é que, em comparação com a fertilização foliar, precisa de uma menor quantidade de tratamentos e fertilizações para garantir um fornecimento suficiente de nutrientes na planta.

É conveniente adicionar que o uso de produtos químicos nos controlos fitossanitários quebra o equlíbrio biológico do meio ambiente e do solo. Existem microorganismos e insetos benéficos que contribuem para o control natural de pragas e doenças.

Em todo o Perú, o café e produzido sobretudo nos vales inerandinos, que ligam esse grande cordão montanhoso à selva da Amazônia. Essa região, por sua altitude e temperaturas ideais, é a mais adequada do Perú para obter os melhores rendimentos com alta qualidade. Os grão geram uma acidez cítrica efervescente, doçura chocolatada, corpo médio agradável e um retrogosto suave e doce.

No extremo norte, departamento de Cajamarca, encontramos à Cenfrocafe. Uma das melhores cooperativas do Perú, que agrupa a mais de 1900 famílias (pequenos cafeicultores), associadas em 84 bases, nos estados de Jaén, San Ignacio e Bagua. Esta cooperativa trabalha baseada em degustação, separação e preparação dos melhores lotes. Os degustadores selecionam lotes de alturas acima dos 1600 msnm, com pontuações maiores aos 85 pontos, e as chamam de “APU”; e aqueles lotes cultivados em altitudes entre 1200 e 1600 msnm, com pontuações entre 82 e 24 pontos, são chamadas de “CASQUIT”.

Cenfrocafé é uma cooperativa peruana que agrupa a mais de 3.000 famílias associadas, em 84 bases em 11 redes nos Estados de Jaén, San Ignacio e Bagua.

Ao longo dos anos, caraterizou-se por ser o promotor do desenvolvimento sustentável, focado em quatro eixos fundamentais: econômico, social ambiental e institucional. Isto gerou fidelização e identidade.

O desenvolvimento das suas atividades é baseado nos princípios e valores da democracia, justiça social, equidade, transparência, liberdade, entre outros.

Dicas de conservação

O café é um produto muito delicado. É oxidado pelo ar, e começa a perder suas propriedades organolépticas; por isso, oferecemos algumas dicas para mantê-lo melhor:

  • Coloca a quantidade necessária de café para dois dias, no máximo. O café conserva-se melhor na embalagem com o zip fechado, do que no compartimento ou tremonha da máquina de café.
  • Se não dispões das nossas cafeterias superautomáticas, mói o café na hora da sua utilização. Assim que o café estiver moído, o processo de oxidação vai multiplicar-se em 15. Isso significa que perderá mais rapidamente o seu sabor e aroma.
  • Se for possível, uma vez aberta a embalagem, armazena o café num recipiente com fecho hermético, ou com selo a vácuo, para que ele não entre em contacto com o ar, e, assim, reduzir ao minimo o processo de oxidação. Na nossa secção de accessórios, encontrarás productos projetados exclusivamente para isso.
  • Nunca guardes o café no frigorífico. Isso fará a umidade do café variar, e também fará variar as caraterísticas organolépticas. Além disso, o café absorbe fácilmente os aromas que o cercam. Não queremos que o nosso café tenha aromas ou sabores desconhecidos…
  • Nunca deixes que o sol o toque.

Em resumo, conserva-lo em local fresco e seco, sem luz solar, e sem contato com o ar. ☕

Avaliações (6)

6 avaliações de Café do Perú Cajamarca Jaén

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “Café do Perú Cajamarca Jaén”